quinta-feira, 29 de março de 2012 | By: Mel

Quase nada

 
Quase me perdi de mim,
por um amor quase nada...
Acreditei ser a única quando 
me oferecias tua poesia,
Porém tua paixão é fracionada,
Uma mera fantasia, 
São muitos pedacinhos,
Não respiravas sem mim,
e sem mais uma batelada...
E por uma fração de segundo,
acreditei e me vi encantada... 
É, talvez,eu esteja errada,
pois deves ter tanto amor,
que tudo teu é coletivo...
Pois bem...é amor demais pra mim,
Ahh,sem ele eu sobrevivo,
Se sobrevivo!
Dás pra quem necessitar
e acreditar em ti...
Não quero nada dividido,
Tampouco amor mais ou menos! 
Pois dei-te um amor tamanho!
Enquanto me deste
um tão pequeno...


Mel






1 comentários:

Bia Hain disse...

Oi, Mel, muito bem escrito. Tenho medo de, como você, acreditar e descobrir que o amor não era o que eu imaginava...Não há como saber sem arriscar. Um abraço!

Postar um comentário

Se gostar deixe um comentário

Mel