sexta-feira, 18 de maio de 2012 | By: Mel Santos

Desiderata sintonia



Me arrepio ao primeiro toque
da pena...
Meus dedos suaves fazem
a folha acender-se
Qual letra em chama
de um verso sem -e- sentido!

Teu nome vem desabrochando
na primeira inspiração...
Como uma brisa em meu ouvido...

Invadindo meus pensamentos
...Caminhas lentamente...
Sussurrando um beijo em minha face...

Rompes a barreira da luz...do som,
todas as imagináveis barreiras...
E no espaço tempo teu voo me alcança...

Nego-te...todavia, insistes
E cá estás nas entrelinhas...
Desenhando-se em meu poema...
Numa desiderata sintonia 
Eu - tu - a saudade e a poesia! 


Mel


3 comentários:

Bia Hain disse...

Tem pessoas que são assim, vão chegando de mansinho, sussurrando, e quando vemos, lá estão elas, fazendo parte do que somos e deixando saudades. Um abraço, bom domingo!

Expedito Gonçalves Dias disse...

Vim bicar teu favo e achei-o doce e saboroso!
Lindos textos. Abraços!

A.S. disse...

Mel... és tu o poema!...


Beijos,
AL

Postar um comentário

Se gostar deixe um comentário

Mel