segunda-feira, 13 de janeiro de 2014 | By: Mel Santos

Amor, amor, amor...



Falas de amor de outra existência,
que fazes de conta que já provaste.
Um amor apinhado de reticências,
ainda, fincado em delicadas hastes.

Amor a se alimentar de retórica,
que só existe porque há espaço...
Amor sem porvir e sem outrora, 
História perdida d'um calhamaço.

Amor a arder o peito, a queimar
a carne...lubricidade de meretriz.
Amor que dizes d'alma, porém só  
o fogo e somente água, o faz feliz!

Amor! Sobretudo, desejo! 
Amor! Mormente, paixão!
Amor de corpo, amor de alma...
Sem esses itens o amor é vão!

Mel




Licença Creative Commons
Este trabalho foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição - NãoComercial - CompartilhaIgual 3.0 Não Adaptada.

1 comentários:

A.S. disse...

Lentamente,
teu corpo se insinua
de sensualidade,
humedece
na penumbra das palavras
que o poema tece...

Beijossss
AL

Postar um comentário

Se gostar deixe um comentário

Mel