sábado, 27 de outubro de 2012 | By: Mel Santos

Diferença:



Se eu fosse homem...


Iria pro bar e lá ficaria até me embebedar...
Ah! bendita solução masculina:um coma alcoólico!

Chutaria as paredes ,esmurrava a mesa
e seria pra sempre um cão melancólico!

Não é perda...nem dor!só um cadinho de pena...
dessa merda de vida,cujo tempo evade-se
feito albumina...deixando a pele em ardência:

                                                          [carne viva!


Nem me importam as falácias,tampouco os
rumores!...somente eu sei,o que é solidão!

Beberia como homem...pediria no balcão!

Ahhhh,que se dane a balança,
que exploda a razão,hoje só há
uma certeza na vida:beberei!

...até ver-me no chão!

Esta vida de limbo, d'ecos silênciosos,
de palavras etéreas...as quais contaminam
a carne,feito doença venérea...


Garçom...uma dose apenas:da garrafa magenta,
sim...[a solução pós Socrática]


Preciso afogar minhas mágoas,
salvar minh'alma...antes que 
a venda,e desista de mim e 
continue estática!



[...mas sou Mulher!]


Mel


 

Licença Creative Commons























4 comentários:

Bia Hain disse...

Oi, Mel! Seu poema é como um grito de socorro de quem está com a alma um tantinho cansada...Hoje você é minha homenageada no post, espero que goste. Um abraço!

Barbie Californiana disse...

É verdade, a vida masculina parece ser bem mais fácil, eles podem extravasar muito mais do que nós... seu poema é lindo. abraços e linda semana.

ELAINE disse...

Lindo! Intenso e profundo! Um surreal desabafo de uma vida real ambulante da poesia! Desculpe a demora em aparecer....
Não tenho conseguido visitar a todos como gostaria.....
Um abençoado e feliz início de semana!
Abraço fraterno e carinhoso!
Elaine Averbuch Neves
http://elaine-dedentroprafora.blogspot.com.br/

Vera Lúcia disse...

Olá Mel,
Estou chegando até aqui por indicação da Bia (Revolta e Romance).
Adorei sua forma de poetar.
Parabéns.

Beijo.

Postar um comentário

Se gostar deixe um comentário

Mel