segunda-feira, 5 de março de 2012 | By: Mel

Tortura

São grilhões da tortura,esse silêncio que me impuseste,
é boca de aço a calar a mi'alma,
são correntes que arrasto,são armaduras,
assombrando as noites,meu pior castigo na senzala...

Esta máscara da infâmia que me vestiste,
é gaiola pesando em minha cabeça,
é o que existe em minha vida de mais triste,
é condenação que não há na terra quem mereça!


A tua ausência é carta de alforria que não desejei,
chicotadas que sangram minha alma,
é garrote a sufocar minhas palavras,
na empalação da poesia, que ora foge ,ora exala!


É  morte em vida essa maldita lembrança;
Que me sufoca o peito ,é uma pujança!
É alimento pr'um resquício de esperança...
É louca essa crença de ainda ter-te... É confiança!


É a força de um herege,contrariando a tramontana...
É minha fé em Deus,que é soberana!






Mel









1 comentários:

disse...

Parabéns pelo blog ,
um espaço muito aconchegante !
Bjão

Postar um comentário

Se gostar deixe um comentário

Mel