segunda-feira, 8 de outubro de 2012 | By: Mel Santos

Atônito




 Atônito

abriu o portão como
se fosse automático,

atendeu o porteiro
como se fosse eletrônico

Seus pensamentos inóspitos
boiavam num horizonte
sub-aquatico...[seu]

autômato...caminhou à passos largos,
tão fundos...quanto o
oceano atlântico...


Em órbita...
não cria mais no mundo,
[na vida]...no espatáculo!



Mel



Licença Creative Commons





















2 comentários:

Literarte Letras ! disse...

Lindo o seu poema,a imagem é bem a cara do poema e seu blog é bonito demais,essas folhinhas caindo é o máximo.Parabéns!

Mel Santos disse...

Boa tarde Literarte Letras !
Obrigada pelo carinho do seu comentário,espero que volte outra vezes,um beijo grande!

Postar um comentário

Se gostar deixe um comentário

Mel